quinta-feira, 6 de março de 2008

A professora insurgente

Vejo numa reportagem na SIC Notícias sobre os protestos dos professores contra a ministra da educação (não faz sentido usar iniciais maiúsculas aqui) uma professora explicando qualquer coisa que não retive porque estava a olhar para o seu keffiyeh — aquele pano axadrezado que os árabes tradicionalmente usam na cabeça e que alguns ocidentais "pacifistas" em prol do terrorismo usam ao pescoço para se proteger do frio e do bom-senso — e para o cartaz que trazia atado ao pescoço, e pergunto-me: «Será que os professores vão começar uma Intifada contra a ministra?» Ódio não falta...

10 comentário(s):

João Ferreira disse...

E chegaste a essa pergunta baseado no aspecto de um elemento da populacao?

João Ferreira disse...

(Ja agora: nao vejo necessidade para obrigares o pessoal a ter conta para publicar comentarios. O blogger nao tem proteccao anti-spam?)

LPedroMachado disse...

Era uma piada, João.

A ideia de obrigar a ter conta é evitar comentários anónimos, não o spam. Mas acho que vou retirar a moderação de comentários. Não faz sentido. Se for necessário, elimino algum comentário. Mas por princípio não elimino comentários.

João Ferreira disse...

Nao me acredito que consideres este texto como apenas uma piada. Se tivessem entrevistado um professor vestido com uma imagem do Che (e aposto que estavam la alguns), acredito que teria saido um post muito parecido.

Alem disso, esqueceste-te de lhe aplicar o rotulo "humor" :-)

Abrs

LPedroMachado disse...

Eu não consigo é compreender como é que podes pensar que se pode dizer sem ser a brincar que os professores vão fazer uma Intifada.

Era só uma piada. Se não achaste piada, tudo bem. Mas era. Eu estava para te responder por email porque dizer que é uma piada tira piada à coisa. Foi por isso que não pus essa tag e também porque não faz parte dos meus planos pôr a tag humor sempre que eu escrever uma graçola num post.

Abraço.

LPedroMachado disse...

Uma t-shirt do Che exigia uma piada diferente. :-) E usar uma t-shirt com a cara dum assassino estampada não se compara a usar um lenço que não tem nenhum significado intrínseco.

João Ferreira disse...

Nao estou a levar a serio a parte dos professores fazerem uma Intifada. Para mim, o texto (ou grac,ola, se preferires) revela um desconforto com um determinado simbolo. E essa, apesar de ser apenas uma interpretacao, e' a parte que eu nao considero piada.

Espero que nao leves a mal se estiver errado.

João Ferreira disse...

Nessa do Che, estou contigo. Ha um ano e tal, depois de um email que me enviaste, andei a ler textos relacionados com isso. Felizmente, nunca vesti nenhuma :-)

LPedroMachado disse...

Com "graçola", referia-me à parte da Intifada.

Não sinto desconforto ao ver o lenço nem a t-shirt do Che. Acho piada. Uma piada sarcástica, admito.

E já agora, ao dizeres que não achas piada, queres dizer que te incomoda? Se sim, em que é que esse incómodo é diferente do meu putativo incómodo?

E a tua frase do primeiro comentário sugeria que o teu ponto era outro: que não se pode julgar o todo por um elemento. Fiquei sem perceber.

Mas muito sinceramente, parece-me um pouco ridículo fazermos um debate por uma piadola sem importância. Não achas?

João Ferreira disse...

Nao se trata de eu achar piada. Eu disse e' que nao creio que tenha sido piada.

Quanto ao debate, tens razao. Mas ja nao te podes queixar da falta de comentarios!